quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Passatempo - O meu amigo “25”, Eça, substituição, correcção e alguma confusão…


Há dias, recebi do representado na posição “25” do mosaico que apresentei, com imagens de personalidades “com Barreiro dentro”, a seguinte mensagem electrónica:

Assunto: “não sou eu, é o João Penha!

Vi o meu focinho ancestral no painel dos amantes. Claro que a mera inclusão me desvanece; é tão honrosa, e estou tão bem acompanhado - que não sei se mereço.


Em todo o caso, há naquela fotografia duas coisas sumamente unpleasant. Uma é a sua provecta idade (vem de um tempo em que, de cabelo todo castanho ainda, estou todo armado em atrevido da silva de olho esperto de repórter, etc., etc.); ora, como dizia o Eça em carta ao Ramalho, já "não sou eu! É o João Penha".


Outra é um logotipo que aparece no écran do computador; e, como de novo o Eça dizia ao Ramalho, "esse retrato é pura e simplesmente uma difamação".


Enfim, por tudo isto, que não tem qualquer importância, apeteceu-me mandar-te uma fotografia real, e talvez realista, que me foi tirada pelo nosso Luís Miguel há bem pouco tempo. Não quererias tu usá-la no futuro, se for caso disso, em lugar daquele mono de antanho? É que a verdade dos factos também mora nas imagens...


Em mensagem seguinte, enviou-me uma foto feita pelo Luís Ferreira da Luz que ilustrou umas recentes páginas centrais do “Expresso” a propósito de um livro, que já vai em 2ª Edição, recentemente lançado por este Barreirense. E a referência bibliográfica à citação epistolar anterior, esclarecendo que as frases citadas constam da “Carta a Ramalho”, Newcastle, 8 de Abril de 1878 (Correspondência, Lello & Irmão, 1925)…

Como se percebe, o “25” é meu amigo. Dos melhores e mais antigos que tenho, posso acrescentar. Ora, como há coisas que não se negam a um amigo, aqui fica, pois, o “mosaico” com a foto substituída, certo de que ele merece, sim senhor, figurar neste painel, como se provará quando o identificar completamente, dentro de muito pouco tempo. Entretanto, descubram as diferenças provocadas por cerca de uma dezena de anos…


Ora, ao fazer esta “recomposição” do painel e ao entrar na 3ª dezena de retratados, para fazer a identificação, apercebi-me de um lamentável erro na postagem Eis, então, a segunda dezena de personalidades em que poucos terão reparado e que ninguém comentou….

De facto, na versão original – e digo original porque, agora, já está corrigida -, dei um “salto” na numeração, do 12 para o 14, estando, portanto, a partir do Dr. Ricardo Luz, todos os números “adiantados” em relação à respectiva ordem.

E, assim sendo, o Jorge Moniz é, de facto, o 18, como tinha sido perguntado e não o 19, como veio na resposta.

E, mais grave ainda, ficou sem identificação a personalidade nº 20, a grande escritora, investigadora e pedagoga barreirense Glória Bastos.

Fica feita a rectificação e transparentemente exposta a confusão. É a vida…



quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Comunicado conjunto com a ACISBM


Na "continuação" do comunicado da Associação de Comércio Indústria e Serviços do Barreiro e Moita,
publicado, entre outros, pelo Rostos on line, referido, entre outros assuntos, na minha postagem Partidos, batráquios, lebres, Barreiro Velho, Mercado de Levante e Mark Twain..., convido-vos a ler o comunicado que a referida Associação emitiu conjuntamente comigo:



Fica, assim, completamente esclarecido o "caso", devendo eu realçar a pronta disponibilidade da Direcção da Associação para rectificar uma posição que, sem o pretender, fazia um juízo de valor injusto para a iniciativa que apresentei, venho defendendo e, naturalmente, será levada à prática, com a participação de todos os interessados, entre os quais não pode deixar de ter um um papel relevante a Associação representativa duma parte muito significativa dos agentes económicos do concelho.

E viva o Barreiro!



segunda-feira, 29 de outubro de 2007

Eis, então, a segunda dezena de personalidades

Prosseguindo na identificação dos representados no “mosaico” de personalidades que têm muito que ver com o Barreiro, aqui vão as “carinhas” de 11 a 20. Seguindo os “links” incorporados no texto poderá conhecer-se melhor cada um dos retratados.

11 – Marius Amadis França-Pereira – Engenheiro. Presidente do Conselho de Administração da LBC

França-Pereira foi Engenheiro na CUF, onde seu pai também já exercera a mesma profissão. É, desde a formação da Empresa, Presidente do Conselho de Administração da LBC, antes LBC-Tanquipor.


Em relação à Empresa de que é a grande “alma” e ao Grupo Multinacional a que a mesma pertence, manifesta a ambição, que diariamente faz por concretizar, de que seja o “Rolls Royce” da área de transporte e armazenamento de fluidos!


Apaixonado pela Vela, desporto do qual é praticante e dirigente de mérito, tem sido um dos principais responsáveis pelo apoio “de retaguarda” à prática da Vela no Barreiro, nomeadamente aos atletas olímpicos Álvaro Marinho e Miguel Nunes, equipa de que a LBC é a principal patrocinadora. E além da Vela, é, também apaixonado pelo Barreiro!


A Qualidade e o cumprimento escrupuloso de todas as normas são faróis da sua vida. E está tudo dito…

12 – António Câmara – Professor Universitário. CEO da YDreams. Prémio Pessoa 2006.

O Júri do Prémio Pessoa afirmou que o laureado “ é uma das figuras mais representativas na área das ciências e tecnologias da informação, cuja repercussão atinge campos tão diversos como "a biomedicina, as telecomunicações, a ecologia, o planeamento urbano ou até o simples quotidiano das pessoas. O Prémio consagra ainda o entendimento contemporâneo de uma nova missão da Universidade, reconhecendo a importância de uma actividade empresarial ao serviço da sociedade.



Ao conceder o Prémio ao Professor António Câmara, o Júri reafirmou " a importância para o desenvolvimento do país do estímulo ao conhecimento e à inteligência criativa, afinal o único meio de lhe conceder uma vantagem competitiva."


António Câmara tem, vá-se lá saber porquê, uma ligação muito especial ao Barreiro. Terá começado, eventualmente, com o Projecto “Planeamento Espacial Participado


Em conferências que tem dado perante auditórios diversos, aponta o Barreiro como o protótipo do seu conceito de “Cidades Novas”.


António Câmara é uma das personalidades mais fascinantes que tive oportunidade de conhecer. Não valendo a pena explicar porquê, foi após ter assistido a um colóquio dele no Barreiro, há largos meses, que resolvi fazer o “mosaico” no qual, por todas as razões, ocupa um lugar central.


Eu acho que será, no mínimo, uma estupidez, não ouvir este Homem quando se perspectiva o Futuro do Barreiro!


13 – Ricardo Jorge Martins da Luz – Médico, especialista em Oncologia.

Presidente do Conselho de Administração e Director Clínico do Instituto Português de Oncologia. Natural do Barreiro, onde viveu toda a sua juventude e fez o ensino secundário.

14 – Maria Alzira Seixo – Professora Catedrática de Literatura Francesa na Universidade de Lisboa. Uma pedagoga emérita que é, simultaneamente das maiores especialistas de Literatura Portuguesa e Francesa.

Ver curriculum completo

15 – Telmo RebeloPiloto de Karting.

O jovem Telmo é um dos campeões do desporto barreirense, numa modalidade em que o Barreiro nunca teve tradições, se exceptuarmos algumas incursões no automobilismo, nos fins dos anos 60 do século passado, dos “aceleras” da altura, de que os mais velhos ainda se lembrarão. Cá para mim, “cheira-me” que, por este andar, se tudo correr bem – e ele faz tudo por isso – ainda o vamos ver na Fórmula 1!

16 – Vasco Pinto Ferreira – Gestor. Presidente do C.A. da Movensis

Natural do Barreiro, onde vive e que adora. É, sei-o eu e quem o conhece, um notável caricaturista.


A Movensis, criada pela Cofina Multimédia para a área das comunicações móveis e, posteriormente, adquirida pelos seus Gestores, com o VPF à cabeça, transformou-se, sob a sua direcção, numa Empresa Líder na sua área, com uma forte presença internacional.


A Visão estratégica do Vasco faz falta ao Barreiro.

17 – Bono Vox – Cantor

O vocalista do famoso grupo irlandês U2 que fez do Barreiro cenário para os vídeos e fotos do álbum “How to dismantle an atomic bomb” certamente que ficou com “marcas do Barreiro” na sua vida. Por isso o coloquei neste grupo.

18 – Jorge Moniz - Músico e Professor. Director pedagógico da Escola de Jazz do Barreiro.

O Jorge é um apaixonado pela sua terra, tendo sido, desde muito novo, um interventor activo na vida associativa do Barreiro. Vive na Travessa dos Quintais, no Barreiro Velho.


Como músico e professor o seu curriculum fala por ele. Pelos seus saberes e características pessoais é, indiscutivelmente, uma das personalidades com quem o Barreiro do Futuro tem que contar

19 – Manuel Galrinho Bento (falecido) – Futebolista. Uns dos melhores guarda-redes de sempre do Futebol Português.

Um “camarro” da Golegã com quem eu almocei no velho “Farol” no dia em que ele chegou, pela 1ª vez, ao Barreiro. Todos o conhecem e seria estultícia querer apresentar o Bento ao mundo!...


20 – Glória BastosProfessora e Escritora.

Glória Bastos nasceu no Barreiro a 11 de Outubro de 1960.

Esta conhecida especialista em Literatura para crianças é, igualmente uma reconhecida pedagoga nessa área, com uma vasta obra publicada.



Fica, assim, identificado o rosto 18 da 1ª pergunta. E amanhã há mais…




sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Passatempo - Protagonistas com Barreiro dentro...

Chegados a 6ª feira, dia em que eu tinha prometido a identificação dos representados no Mosaico de Personalidades que têm que ver com o Barreiro, resolvi dividi-los em 5 grupos de 10, sob pena de a postagem ficar demasiado longa e ninguem aguentar lê-la...

Assim sendo, aqui vão os primeiros 10:

1 – Álvaro Marinho – Velejador Olímpico

Campeão Europeu da Classe 470. Constitui, com Miguel Nunes, a equipa "LBC Tanquipor/Cidade do Barreiro/Seth.pt", representando o Clube de Vela do Barreiro.

2 – Carlos Pimenta – Engenheiro, Ex- Secretário de Estado do Ambiente. Cresceu e estudou no Barreiro.

Licenciado em Engenharia Electrotécnica pelo Instituto Superior Técnico. Representante do Parlamento Europeu na vertente de Política de Ambiente conducentes à conclusão do Uruguai Round (1991/1998). Foi presidente da GLOBE EU (1994-1999).Director do CEEETA Centro de Estudos em Economia da Energia dos Transportes e do Ambiente, membro C. Administração NovEnergia 2010, da ENERAMB Lda, da EDF-Energies Nouvelles S.A. Portugal e membro de diversos C. de Administração e de Coordenação de Projectos em Energia e Ambiente.

3 – Maria de Lourdes Pintasilgo (falecida) – Engenheira química. Primeiro Ministro do V Governo Constitucional (7 de Julho de 1979 a 3 de Janeiro de 1980.

Veja-se a biografia completa em:

http://www.mulheres-ps20.ipp.pt/Lourdes_Pintasilgo.htm#Nota%20biogr%E1fica

Uma das 1ªs. Engenheiras da CUF, no Barreiro, onde viveu, na Rua Gay-Lussac nº 8 (informação esta, que agradeço, do meu amigo Jaime Palma, que mora numa casa ao lado).

Em 1956, com excepção da engenharia químico-industrial, era rara a frequência feminina dos cursos de engenharia. Assinala-se que as duas únicas mulheres nesta população (Engª Maria de Lurdes R. Pintasilgo e Engª Maria Odete S. de Oliveira) estavam no Barreiro, eram ambas engenheiras químicas e ligadas à área da documentação dos “Estudos e Projectos”.

“Picado”, com a devida vénia, do interessantíssimo Blog http://fabricasol.blogspot.com

4 – Alfredo da Silva (falecido) – O maior industrial Português do século XX

Divisa: O que o País não tem, a CUF cria!

5 – Eduardo Catroga – Economista

Licenciado em Finanças pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, hoje ISEG, com a classificação mais alta. Em 1979 tirou o PMD da Harvard Business School. No campo académico foi assistente do ISCEF noperíodo de 1968-74, tendo sido regente da cadeira de Economia na Empresa. Desde 1990 que é Professor Catedrático (convidado) do ISEG no Mestrado em Gestão (MBA) na área da Estratégia Empresarial.

A nível profissional foi entre 1993-95 Ministro das Finanças do XII Governo Constitucional de Cavaco Silva. Actualmente, preside o Grupo SAPEC, é Administrador da NUTRINVESTE e Administrador do Banco Finantia.

No seu currículo constam ainda dois livros Política Económica – 22 meses no Ministério das Finanças e Intervenções sobre Política Económica (vol. I E II) e diversos artigos e análises publicados em revistas e jornais sobre temas de Política Económica e Estratégica Empresarial.

Foi Director financeiro da CUF até à nacionalização. Juntamente com Vístulo de Abreu – que presidia - Mota Guedes, Brito Apolónia e Cardoso da Silva, fez parte da Comissão Administrativa após a nacionalização.

6 – Adriano Duque Monteiro Leite (falecido)- Engenheiro Mecânico

Pedagogo brilhante, Professor no Instituto Superior Técnico e noutras Instituições, ajudou muitas gerações de barreirenses a ultrapassarem a barreira da disciplina de Matemática.

Foi, para além disso, um dos maiores especialistas mundiais em Segurança e Manutenção Industrial.

De acordo com a Associação Portuguesa de Manutenção Industrial, de cuja Direcção foi o primeiro Presidente, as suas “actividades profissional e académica contribuíram de forma ímpar para a divulgação da Manutenção em Portugal”

Em sua honra a A.P.M.I. criou o “Prémio Engº Monteiro Leite”, destinado a promover o interesse, desenvolvimento e divulgação de trabalhos no campo da Manutenção, i.e. Gestão de Activos, Gestão e Engenharia da Manutenção, Custo do Ciclo de Vida, Terotecnologia, etc.

7 – João “Betinho” Gomes – Jogador Internacional de Basquetebol

8 – Octávio Ribeiro – Jornalista. Director do “Correio da Manhã”

“conheceu-se, estudou, perdeu-se e encontrou-se no Barreiro. Reivindica que todos os seus filhos serão do Barreiro!”

9 – Nuno Paulino – Licenciado em Engenharia Electrónica e Ciência Computacional – Mestre em sistemas de decisão e Controlo. Actualmente a trabalhar na Agência Espacial Europeia

Ver biografia completa em

http://users.isr.ist.utl.pt/~paulino/pub/cv/source/Nuno_Paulino_cv_en.pdf

10 – Piedade Fernandes - Cantora e Actriz

Natural do Barreiro, onde cresceu e viveu muito tempo, a “Mimi” vive, actualmente, em Setúbal, mas mantém uma ligação forte à sua terra.

http://www.setubalnarede.pt/content/index.php?action=articlesDetailFo&rec=6487

Fica, assim, identificado o rosto nº 9, um dos referidos na 1ª pergunta, que ninguém reconheceu.

Por outro lado, resulta óbvia a resposta à 2ª questão, à qual a Guida, simpática Artesã barreirense deu uma resposta aproximada, nos comentários à postagem, sem, naturalmente, entrar nos pormenores que agora acrescento.

Em grupos de 10, serão, em postagens seguintes, identificados os restantes.


quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Apoios e Contributos (9) – Mário Durval

O Mário Durval é médico e, nessa qualidade, é o delegado de Saúde do Barreiro. Sendo um reconhecido especialista em Saúde Pública é o Presidente da Assembleia Geral da Associação Nacional dos Médicos dessa Especialidade.

É, igualmente, um membro destacado do Bloco de Esquerda, fazendo parte da direcção deste Partido no Barreiro, tendo sido Candidato a Presidente da Câmara Municipal nas últimas Eleições Autárquicas.

Desde que chegou ao Barreiro, terra que adoptou como sua, tem sido um interventor activo nos mais diversos aspectos da vida deste Concelho.

Resolveu agora, identificando-se com as "suas vestes" de protagonista político, publicar, na edição do passado dia 24 de Outubro do "Notícias do Barreiro", o artigo de opinião abaixo reproduzido.

No último período do mesmo, pronuncia-se sobre o Projecto "Mercado de Rua Marquês de Pombal" dando-lhe um enquadramento que coincide com o que eu defendo.

Clique na imagem para ampliar

Naturalmente, agradeço ao Mário Durval o seu apoio.


terça-feira, 23 de outubro de 2007

E, agora, algo completamente diferente: Um passatempo!


Clique na imagem para ampliar



Pode-se tirar um gajo do Barreiro,
mas não se pode tirar o Barreiro d'um gajo *



Na imagem acima está um "mosaico" que elaborei, com representações gráficas - fotos ou desenhos - de pessoas que marcaram o Barreiro, ou a quem o Barreiro marcou, num momento da sua vida.


Proponho, hoje, um passatempo, com 5 perguntas, às quais darei as minhas respostas na próxima 6ª feira, altura em que identificarei cada uma das 50 personalidades que constam da imagem:

1 - Atribuindo números, de cima para baixo e da esquerda para a direita, a cada um dos representados na imagem, quem são os jovens nas posições nºs 9, 18, 39, 44 e 49 e porque é que eu os terei incluído aqui?

2 - O que é que a falecida Engª Maria de Lurdes Pintassilgo tem que ver com o Barreiro?

3 - Qual a figura que o painel de azulejos na posição 21 pretende representar?

4 - Quem é o senhor de gabardina, na posição 45?

5 - O que é que estas pessoas têm a ver com o Projecto "Mercado de Rua Marquês de Pombal"?

As respostas podem ser dadas como comentário ou por e-mail. Estou disponível para aceitar todos os contributos, com foto, para aumentar o número das personalidades que incluí no mosaico.

domingo, 21 de outubro de 2007

Velharias, livros usados e Artesãos barreirenses...



O "Grupo de Amigos do Barreiro Velho" organizou, no passado sábado, uma "Feira de Velharias e do livro usado", no Largo Casal.






Infelizmente os expositores foram poucos, os visitantes também não foram muitos e deve ter ficado, aos Cidadãos que compõem aquele esforçado Grupo, um certo "sabor a papéis de música" na boca... A capacidade de mobilização e o empenho, alicerçado no amor genuíno que os liga ao Barreiro Velho, merecia outra resposta, embora sirva para ir "mantendo acesa" a chama da animação da zona.

Todavia, qualquer pessoa percebe que a realização de iniciativas dispersas, como esta ou como as que a Autarquia, volta e meia, promove, como fez, recentemente, no âmbito da Iniciativa "Parques Vivos", no Parque Catarina Eufémia, para além de representarem um enorme esforço para os seus Organizadores - e, no caso da Câmara, despesa adicional apreciável - nunca têm o retorno de público que os meios mobilizados mereceriam.


A razão de tais frustrações de expectativas é simples: sendo iniciativas esporádicas e avulsas, a sua publicitação é feita à escala da dimensão do evento. O público alvo é sempre o mesmo e os meios de comunicação os habituais. Depois, dá no que dá. A verdade é que, dadas as circunstâncias, quase sempre seria impossível fazer melhor...

Um Mercado do tipo que proponho está, claramente, vocacionado para ser o local privilegiado para alguns tipos específicos de Expositores. É o caso dos vendedores dos artigos em 2ª mão. E, naturalmente, de todos os tipos de produtores e comerciantes de Artesanato.

Aquando da Mostra Empresarial e Industrial do Barreiro, em Agosto, visitei, um por um, todos os artesãos que aí expuseram as suas obras, a quem entreguei um inquérito a que um número significativo respondeu. Verifiquei, pelas respostas, a adesão da maioria ao modelo de Mercado que proponho: periódico, regulado, patrocinado, com gestão própria e marketing global.

Entre os meus “Favoritos”, “mailing list” e cartões que fui recolhendo em duas exposições, listei os seguintes Artesãos barreirenses, com presença, ou não, na Internet, cuja sensibilização para puderem vir a ser expositores regulares num Mercado com as características que aponto para o “Mercado de Rua Marquês de Pombal” considero ser relativamente fácil:

Com Presença na Internet

Ana’s Artesanato

Arca dos sonhos

Aroma Natural

Arte d'Avó

Arte da Luluzinha

Biju-Altermoda

Bijuteria

Bijuteria Casaca

Catia & Danyela Bijoux - Catia.Sobral

Coisas Minhas

Cosabnit

Criatividade precisa-se e recomenda-se...

Decoracao & Artes

Fofuras da Cris

http://www.glamoureuse-bijutaria.com/
(link desactivado)
Link do Hi5

Inspira.me outra vez

Atelier da Jo / Josmara Artes

momentosrelaxantes

matilde beldroega

http://miaubijoux.blogspot.com/

*♥*´¯`* Nuvens Doces *´¯`*♥*

Papéis de Madeira

Penduricalhos e Bugalhos

Rosa do Adro

Sem Presença na Internet

Coisas e Loiças – Artesanato, Bijuteria e Loiças

Rua Almirante Reis, 70 – Tel. 212070383 Tlm. 918932614

Emílio Pereira – Artesanato antigo

Rua Miguel Bombarda, 96 (por cima da passagem desnivelada) – Tlm. 968825384

Manuela Silva – Trabalhos em Vidro, Madeira, Tela, na técnica do guardanapo Tlm, 966029305

Niza Marques – Pintura e Artes Decorativas

nizaamarques@gmail.com

Perpétua Monte – Pintura e artes decorativas – 962886750

Teresa Dourado – Bijutaria e Malas - 968928166

Estes foram, apenas, os Artesãos que "recenseei" e que assim publicito, como uma modesta contribuição para o conhecimento do seu trabalho. A Câmara Municipal do Barreiro tem, certamente, uma lista muito maior.

Numa postagem anterior, mostrei o plano de distribuição dos expositores que irá constar da proposta que irei fazer, a qual resultou de uma alteração da apresentação original, resultante da ponderação de vários contributos recebidos e do redimensionamento feito, em consequência da elaboração da planta detalhada do projecto do Mercado.

Na nova configuração, o Sector onde prevejo a colocação dos Artesãos e outros Artistas é o IV:



A existência, no Barreiro, destes 30 artesãos, que resolveram mostrar as sua obras e publicitar-se, de uma maneira ou de outra, dão-me a garantia de que, apenas com a “prata da casa”, é fácil ocupar os 40 módulos previstos para Artesãos e Artistas de diversas artes.


quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Apoios e Contributos (8) – António Sousa Pereira



O António Sousa Pereira é, desde que o conheço, já lá vão 30 anos, um cidadão sempre empenhado num conjunto de causas pelas quais dá a cara. A sua "hiperactividade" e as suas especiais características de personalidade fazem com que provoque ódios doentios a algumas pessoas.

Volta e meia, o seu "feitiozinho assacanado" e as "provocações" que gosta de fazer, causam mossas. Eu próprio já "sofri" na pele algumas consequências disso, a última delas bem recentemente…

Todavia, isso não me interessa. Muitas vezes tenho discordado dele e muitas outras concordado. Muitas vezes acho piada às coisas dele e outras nem tanto...

Mas gosto dele e tenho-o como amigo. Se ele precisar de mim sabe que pode contar comigo. É quanto me basta.

O Sousa Pereira tinha prometido que se referiria detalhadamente ao Projecto “Mercado de Rua Marquês de Pombal” quando achasse oportuno. Fê-lo agora, no "Rostos On line" e no seu Blog "Entre Tejo e Sado".

Pela pertinência do que escreve, permito-me, com a devida vénia, transcrever, na íntegra, essa sua tomada de posição, destacando, a "negrito", algumas partes que me parecem mais relevantes.

Classifico este texto na categoria "Apoios e Contributos", porque se isto não for um apoio é, pelo menos, um contributo muito sério para desfazer ideias desajustadas que, porventura, ainda existam na cabeça de algumas pessoas em relação ao Projecto estruturante que apresentei, tenho vindo a defender e, naturalmente, continuarei a desenvolver até ser concretizado.

De resto, partilho das suas preocupações, registo a sua visão estratégica - que é coincidente com a minha - e dou-lhe as boas vindas à discussão, que pretendo o mais participada possível, do Projecto a que, sendo muitíssimo mais que isso, chamei "Mercado de Rua Marquês de Pombal".

A palavra, então, ao meu amigo António de Jesus Sousa Pereira:


Diz que é uma espécie…
de BLOGUE DE NOTAS do Barreiro


Foi apresentado o novo espaço onde vai ser instalado o novo Mercado de Levante do Barreiro. A voz dos vendedores que lutaram por “manter os seus postos de trabalho” e contra o “encerramento da sua fábrica” deu frutos, provando, na prática, a tese que – “só é derrotado quem desiste de lutar”.

Uma acção política reactiva

Referiu Carlos Humberto, Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, que aquele foi um espaço que chegou a estar sobre a mesa para avaliação.

No entanto, embora, de facto - é verdade - sempre se mantivesse o cenário de abertura e vontade na procura de soluções, uma decisão esteve sobre a mesa – encerrar e ponto final.

A reunião da Assembleia Municipal do Barreiro, promovida pelo Partido Socialista e pelo Bloco de Esquerda, não tendo apresentado soluções, limitou-se a criticar e a criar um espaço de avaliação da situação, permitindo, apenas, dar uma dimensão pública às discussões que aconteciam nos bastidores.

Se valeu alguma coisa foi só por isto. Nem se pode dizer que tenha sido um tiro nas opções da gestão autárquica. Foi uma acção de “agit prop”. Foi uma acção política reactiva, que juntou a voz dos políticos da “oposição” à “luta” que os vendedores estavam a travar em diálogo com a autarquia, que, sublinhe-se sempre afirmou a sua disponibilidade de procurar soluções.

De recordar que o PSD foi o único partido que, quer na Câmara Municipal, quer na Assembleia Municipal, sempre esteve contra a solução de encerramento, e, na verdade, exigiu a procura de soluções e alternativas.

Uma proposta com uma visão estratégica

Na altura referi que aquela reunião da Assembleia Municipal do Barreiro deu como resultado zero e que, aquilo que trouxe de novo foi a proposta de António Caboz Gonçalves, lançando o desafio da criação do Mercado Marquês Pombal, que, como ele próprio referiu, não se colocava como uma alternativa ao Mercado da Verderena.

Agora, pelo facto de ter sido encontrada uma solução ao Mercado de Levante do Barreiro, já se comenta que a proposta de António Caboz Gonçalves está morta.

É pena que tal aconteça. É pena porque esta é uma proposta com uma visão estratégica e que pode perspectivar uma “opção”, um “projecto” que contribua para reanimar o tecido do Barreiro Velho e colocar o Barreiro com uma proposta “atractiva” no contexto da AML e Península de Setúbal.

Conquistar o Executivo Municipal

Na altura referi que teceria os meus comentários sobre esta proposta do António Caboz Gonçalves.

Não o fiz por várias razões. Primeiro porque não quis entrar na onda do “milagre” da solução para o Mercado da Verderena. Segundo porque achei que misturar a discussão e avaliação da proposta do Mercado do Marquês, em simultâneo, com a procura de uma solução para o Mercado da Verderena, em nada contribuiria para o desenvolvimento desta ideia que registei como positiva para o futuro do concelho.

Considero que a proposta do António Caboz é uma proposta que deve ser ponderada, deve ser avaliada, deve ser debatida, como um projecto estruturante e cuja implementação deve envolver diversos agentes locais.

É uma proposta para a qual, antes de mais, tem que ser conquistado o Executivo Municipal para a sua concretização e, penso, nunca será possível concretizar se for utilizada como arma de arremesso para acusar o Executivo Municipal – este ou outro qualquer - de “entrave ao desenvolvimento”.

Preocupação de animar o Barreiro Velho

Recordo que, em tempos, com o Eduardo Porfírio, enquanto Vereador da Câmara Municipal do Barreiro, responsável pela reabilitação do Barreiro Velho, no âmbito do Núcleo COM VIDA, foram analisadas sugestões de acções a dinamizar no Barreiro Velho, que eram verosimilhantes à proposta do António Caboz Gonçalves.

A preocupação de animar e revitalizar o Barreiro Velho, de procurar soluções para o Barreiro Velho, não deve colocar de lado qualquer proposta que seja um caminho, uma proposta de acção – um modelo a debater.

Amar ou não amar o Barreiro

O pior erro que pode ser cometido será transformar a proposta do António Caboz Gonçalves como arma de arremesso político, como bandeira pré-eleitoral, como paradigma para afirmar que, quem está com a proposta “ama o Barreiro”, quem está contra a proposta “não ama o Barreiro”.

Na vida tão mau é o “deslumbramento do poder” quando se torna autista, como o “deslumbramento do anti-poder” que se julga a “verdade- verdadeira”.

O Barreiro fica para segundo plano

Ainda há dias, na última sexta feira, na Tertúlia do Palácio conversámos sobre a proposta do António Cabós. Ninguém estava contra. Todas acham uma proposta que deve ser avaliada, mas também foi referido o timing do seu agendamento, a mistura da sua apresentação com a crise da Verderena e, por fim, o aproveitamento politico partidária que já está em marcha, pouco vai ajudar. Infelizmente. Seja o aproveitamento politico dos “bons”, seja o aproveitamento politico dos “maus”.

Será por estes caminhos que a proposta pode começar a ser viciada, a gerar anticorpos e, se assim for, repito, infelizmente, mais uma vez, como em outras tem acontecido, o Barreiro fica para segundo plano, porque a “guerrilha” politico partidária se sobrepõe aos interesses da cidade e da cidadania.

Este é um filme que agora, é que vai começar a ser rodado. Era positivo que este assunto não fosse usado como libelo acusatório, por aí só vai servir interesses pontuais.

A proposta do Mercado do Marques obriga-nos a pensar futuro, a sonhar futuro e devia ser esse o ponto de partida para a sua avaliação.

Mas…talvez já esteja demasiado colocada como uma proposta que divide – os bons que a apoiam, os maus os que estão contra.

Os bons que amam o Barreiro. Os maus que só querem o mal do Barreiro.

Esperemos …porque o filme está a ser rodado, vai dar muitas cenas.

Ora não fosse esta a famosa “Cidade do Cinema”…

Encontrada solução alternativa ao Mercado da Verderena.

Pelo que nos apercebemos, o novo Mercado de Levante do Barreiro nada vai ter de comparação com o extinto Mercado da Verderena, dado que vai ter uma implantação estudada, iluminação adequada, rede de águas e esgotos.

Sem dúvida uma opção que irá valorizar o espaço e proporcionar mais qualidade quer aos vendedores, quer aos utentes.

Está encontrada solução alternativa ao Mercado da Verderena.

A Câmara Municipal do Barreiro está de parabéns porque, como sempre afirmou, nunca colocou de lado o cenário de procura de uma solução. Disse e cumpriu.

Os Vendedores estão de parabéns porque assumiram a sua co-responsabilidade na procura de uma solução. Acreditaram que era possível uma solução e foram à luta. Organizaram-se. Assumiram de forma plena a cidadania e deram uma lição de civismo na Assembleia Municipal do Barreiro.

Este é um assunto encerrado ou a caminho de solução, mesmo que, mais uma vez, pelo que é dito “provisória”.

Afirmar o Barreiro no contexto da AML

Quanto ao Mercado do Marquês, agora, será tempo de serenamente debater a ideia, aprofundar a procura de soluções, estudar da sua viabilidade, tendo consciência que esta proposta não visa contemplar o universo territorial do Barreiro – só assim a entendo – mas sim como um dos elementos de referência para afirmar o Barreiro no contexto da AML e da Península de Setúbal.

Um mercado que para ser lançado implica marketing, estudo de mercado, implica estrutura, implica programas, implica mais que o envolvimento de agentes locais, também o envolvimento de entidades ao nível regional.

Será um Mercado para pensar o Barreiro na região e não para pensar o Barreiro no Barreiro, tem que existir uma visão de economia de escala.

Uma ideia que pode contribuir para criar emprego…animação cultural e projectar uma nova imagem do concelho na região.

E fico-me por aqui…

António Sousa Pereira


Mercado de Levante do Barreiro - Uma boa solução!



A Câmara Municipal do Barreiro, os feirantes e o seu Advogado encontraram uma solução para o fim abrupto do Mercado da Verderena. Os meus sinceros parabéns a todos os intervenientes!

Aquando da Apresentação do Projecto "Mercado de Rua Marquês de Pombal" eu escrevi, referindo-me ao "moribundo" Mercado da Verderena:

É minha convicção que ninguém gosta, verdadeiramente, das condições em que aquele mercado tem vindo a funcionar. Muito pó, bastante desorganização, um ambiente muitas vezes conflitual, num quadro típico de algumas feiras rurais que se fazem por esse País fora, ou de alguns mercados urbanos em países com fracos padrões de desenvolvimento.

Tenho para mim, que também não constitui qualquer solução mudar, apenas, o Mercado actual para outro “vazio urbano” que, mais dia, menos dia, virá a ser reclamado pelos seus proprietários para um fim mais lucrativo. E se a Autarquia tivesse um terreno com as características necessárias a um Mercado como aquele que tem vindo a funcionar – e parece que não tem – sempre viria o momento em que, para tal terreno, se iria perspectivar uma utilização diferente e socialmente mais útil ou mais lucrativa. Especialmente situando-se dentro da malha urbana… Seria, apenas, adiar um problema!


No comunicado que a Câmara Municipal enviou à Comunicação Social, assinado pelo Presidente Carlos Humberto, pode ler-se:

Com o encerramento do mercado bissemanal da Verderena colocámos uma pedra sobre aquele modelo de venda ambulante. Um modelo desregulado descontrolado, inaceitável.

Paralelamente, desenvolvemos vários esforços para encontrar uma alternativa de localização para o mercado de levante no Concelho do Barreiro. Um espaço que pudéssemos infraestruturar, delimitar, alcatroar, regular fiscalizar.

Um espaço onde, em parceria com vendedores e população pudéssemos criar uma realidade diferente daquela que, durante anos, conhecemos na Verderena.

Estamos empenhados em que o mercado de levante nasça em torno do espaço ocupado pela Estação Elevatória do Alto da Paiva.

É nossa intenção iniciar, o mais brevemente possível, as obras de reconversão do espaço. A vedação, o alcatroamento, a marcação de lugares, a construção casas de banho e da rede de água e de saneamento.



É claro que é provisório - por 5 anos - mas é num terreno da Autarquia que, afinal, ao contrário do que repetidamente tinha sido afirmado e todos nós julgávamos, sempre possuía um local adequado à função e suficientemente "periférico" à malha urbana para não suscitar outros "apetites imediatos.






A verdade é que a solução encontrada é, sem sombra de dúvida, uma boa solução para a instalação de um Mercado de Levante moderno e funcional, que, para além do mais, requalificará a zona onde se irá instalar.




Devemos ficar todos satisfeitos com o facto de ter sido anunciado que irá ter um Regulamento de Funcionamento destinado a ser cumprido, lugares claramente delimitados, fiscalização atenta, chão alcatroado, pontos de recolha de resíduos sólidos que cheguem para as necessidades.




É, afinal, tudo o que, desde o início, venho propondo para o "Mercado de Rua Marquês de Pombal."



Projecto que, como já disse, tem, agora, condições acrescidas, para o seu desenvolvimento e aperfeiçoamento, como instrumento de atração regular de pessoas, de dia, àquela zona, o que é absolutamente essencial para o sucesso de qualquer estratégia global para a Recuperação, Requalificação e Desenvolvimento do Barreiro Velho.



terça-feira, 2 de outubro de 2007

Partidos, batráquios, lebres, Barreiro Velho, Mercado de Levante e Mark Twain...


Há duas semanas que não publico nenhuma postagem neste Blogue. Nestas duas semanas, para além dos 14 dias, muitas outras coisas se passaram! As mais relevantes, do ponto de vista do Projecto "Mercado de Rua Marquês de Pombal", foram as seguintes:

Partido Socialista, Bloco de Esquerda e Grupo de Amigos do Barreiro Velho



Nos dias 23, 24 e 25, tive reuniões, sucessivamente, com o Secretariado da Comissão Política do Partido Socialista, com a direcção concelhia do Bloco de Esquerda e com o "Grupo de Amigos do Barreiro Velho". Todas estas reuniões realizaram-se a solicitação dos respectivos responsáveis.

De facto, na segunda-feira, dia 17, recebi um telefonema do Mário Durval, na qualidade de dirigente do Bloco de Esquerda, dizendo que aquela formação política tinha muito interesse em ouvir "o cidadão Cabós Gonçalves" sobre o Projecto "Mercado de Rua Marquês de Pombal". De imediato agendámos tal reunião para uma semana depois, 2ª feira, dia 22, à noite.

Acontece que o Presidente da Comissão Política Concelhia do Barreiro do Partido Socialista, Luís Ferreira, desde o início de Agosto que me tinha convidado para reunir com o Secretariado dessa C.P.C., para lhes apresentar o Projecto, um vez que o mesmo foi pensado, elaborado e apresentado por mim, sem qualquer interferência ou apoio do Partido a que pertenço e, naturalmente, as Estruturas dirigentes do Partido queriam conhecê-lo. A tal convite eu tinha respondido que, em tempo oportuno, pediria audiências a todos os Partidos para lhes apresentar o Projecto e seus desenvolvimentos. Só que, tendo aceitado o convite do Bloco de Esquerda, falei, desde logo, ao Mário Durval sobre esse convite antigo e, conforme lhe disse que faria, telefonei ao Luís Ferreira.

Ao comunicar-lhe a marcação do encontro com o BE, o Presidente da C.P.C. do Barreiro do PS, convidou-me, então, para estar presente na Reunião do Secretariado, orgão partidário a que não pertenço, que se iria realizar no domingo seguinte, 23, da parte da tarde, para apresentar o Projecto e esclarecer as dúvidas dos seus membros. Assim fiz e de tal reunião deu conta o Partido Socialista, em comunicado que está disponível no site oficial do Partido Socialista do Concelho do Barreiro e foi enviado, ao que sei, aos Orgãos de Comunicação Social.

Da reunião com a Direcção do Bloco de Esquerda, resultou uma útil troca de pontos de vista, tendo aquele Partido ficado de emitir, igualmente, um comunicado o que, até agora, não aconteceu. (Nota de actualização, às 20:24: O Bloco de Esquerda já emitiu um comunicado, que está aqui.)

Finalmente, na terça-feira, dia 25, a convite da Rosário Vaz, que para esse efeito me telefonou, reuni, no "Pial", com cerca de uma dezena de membros do chamado "Grupo de Amigos do Barreiro Velho". Para além do apoio individual que algumas dessas pessoas já tinham manifestado, ficou um apoio geral à ideia e seus desenvolvimento e a disponibilidade para a colaboração mútua que venha a ser útil ao Projecto. Desconheço se vão tomar alguma posição pública, porque não falámos nisso.

Associação de Comércio Industria e Serviços do Barreiro e Moita e "Rostos online"

Entretanto, a Associação de Comércio Industria e Serviços do Barreiro e Moita, enviou-me, no dia 25 de Setembro, a carta reproduzida abaixo, a que, até hoje, não respondi, mas que merecerá uma resposta e uma postagem especial dentro de muito pouco tempo...


De qualquer forma, já me tinha referido a este tipo de reacção na postagem com o título "UM ESCLARECIMENTO NECESSÁRIO", publicada em 12 de Setembro... Na madrugada do dia 27, pelas 2:07h, foi publicado no "Rostos online" um comunicado da referida Associação que li, por mero acaso, antes de me ir deitar.

Às 3:00h, pouco depois de ter lido tal comunicado, enviei ao Sousa Pereira, uma mensagem electrónica, que qualquer pessoa inteligente percebe que era um "desabafo" pessoal. O Sousa Pereira, que é uma pessoa inteligente, não pode ter deixado de perceber o carácter privado de tal e-mail.

Ainda assim, pelas 13:36h, publicou-a integralmente, como "Carta ao Director" com o título de "Uma tentativa de assassinato de carácter". Se eu não conhecesse bem o António Sousa Pereira poderia ser levado a considerar tal publicação como uma "dupla" tentativa de "assassinato de carácter". Como o conheço, acho que foi, apenas, uma brincadeira parva.

Projecto Municipal para a Reabilitação de Áreas Urbanas

Ainda no dia 27, de manhã, fui recebido, a meu pedido, pelo Arquitecto Mário Nunes, Director do recém criado
"Projecto Municipal para a Reabilitação de Áreas Urbanas" que se propõe "tratar" de um conjunto de aglomerados urbanos degradados do concelho, entre eles a zona do Barreiro Velho.

Durante cerca de 1:30h pude expor àquele responsável e à Técnica do Gabinete que o acompanhava, um conjunto de reflexões, documentadas, sobre o Barreiro Velho e a história da sua degradação. Para além desse diagnóstico, apresentei-lhes as linhas gerais, com alguns pormenores, da estratégia diferente que proponho. Aí falei sobre o R.E.C.R.I.A., o mal chamado "Plano de Pormenor da Zona Antiga do Barreiro", as casas compradas em 1999 pela Kiana Properties, a "Sociedade de Desenvolvimento do Barreiro Velho S.A.", a política fiscal o R.G.E.U. e o cumprimento da legalidade a vários níveis.

Penso que consegui transmitir a ideia, que me anima, de que o Projecto que defendo pode contribuir, decisivamente, para a recuperação, reabilitação e desenvolvimento do Barreiro Velho. Eu acredito na "Cidade da Participação". Vamos ver se é a sério.

O Novo Mercado de Levante

Parece que o novo Mercado de Levante, que irá substituir o Mercado da Verderena irá para a zona reproduzida abaixo, no Alto do Seixalinho, perto do depósito de água a sul do Hospital.


Assim sendo, parabéns à Câmara Municipal do Barreiro, aos feirantes e ao seu Advogado, Dr. José Teixeira Mota, por terem encontrado uma solução, ao que parece em terrenos do Município e pelo prazo de 5 anos.
Como já expliquei na postagem "Duas boas notícias", de 6 de Setembro,

Fico muito feliz, por duas razões: a primeira é que, assim, ficará, aparentemente, resolvido o problema dos vendedores do Mercado da Verderena que quiserem continuar a vender num mercado com aquelas características; a segunda é que, solucionado o problema resultante do fim abrupto desse mercado, agora, o Projecto de criação do "Mercado de Rua Marquês de Pombal", como instrumento essencial de uma Estratégia global de Requalificação, Recuperação e Desenvolvimento do Barreiro Velho, poderá avançar sem o "ruído de fundo" de uma hipotética "transferência" do chamado Mercado de Levante para o Barreiro Velho, tout court, que só se eu fosse completamente idiota é que alguma vez teria imaginado!
José Caro Proença, os batráquios e as lebres...

Há uns tempos, alguém perguntou ao Engº José Caro Proença, ilustre Cidadão Barreirense, Membro da Academia de Marinha, galardoado com o "Barreiro Reconhecido" na área da Cultura, o que pensava do Projecto "Mercado de Rua Marquês de Pombal", que acompanha e apoia desde a sua apresentação pública e para o qual me tem dado valiosos contributos.

Este "filho" do Barreiro Velho, de cuja génese e evolução sabe mais do que quase toda a gente, respondeu ao interlocutor: "É uma pedrada no charco que põe todos os batráquios a coaxar!".

Como eu sei que o Zé Proença é um convicto desportista, de várias modalidades, que gosta muito de Futebol, especialidade de que foi treinador, mas detesta a "bola sem tola", chamo aqui à liça, também, o Atletismo.

Este Projecto é, em metáfora desportiva, uma corrida de meio-fundo. É pois, natural, que, também aqui, nos primeiros tempos saltem algumas "lebres"...

Morte presumida e Mark Twain


Como venho afirmando desde o princípio a ideia inicial é minha, os tempos do seu desenvolvimento são os que eu achar mais convenientes e compatíveis com a minha vida pessoal e profissional e a estratégia da sua comunicação é a que eu achar melhor em cada momento.

Todavia, como é fácil de perceber, neste momento o Projecto já foi, felizmente, "perfilhado" por muitas dezenas de pessoas, muitas das quais têm dado preciosos contributos, que irei divulgando a seu tempo.

Por isso, mesmo que quisesse, este "veículo não tem "marcha-atrás". Quem o apoia não deixa. Por agora, eu vou, apenas, servindo de condutor, contornando os obstáculos, parando quando é necessário, com o "GPS" sempre ligado, para melhor me aperceber dos vários caminhos disponíveis para chegar ao destino o mais rápida e seguramente possível.

De resto, devo comunicar a todos os Barreirenses, parafraseando Mark Twain, que - como se perceberá nos próximos dias - as notícias sobre a "morte" do Projecto, são manifestamente exageradas...